Liturgia Diária

Notícias › 01/06/2017

Francisco a jovens presbíteros: “Ser sacerdote é arriscar a vida pelo Senhor”

O Papa Francisco encorajou os jovens sacerdotes a “permanecer abertos às surpresas de Deus”, a usar a sua criatividade para a evangelização e recordou-lhes que o seu trabalho não é burocrático, mas que “ser sacerdote é arriscar a vida pelo Senhor”.

O Santo Padre fez este ensinamento na audiência concedida no Palácio Apostólico Vaticano aos participantes da Plenária da Congregação para o Clero.

Em seu discurso, o Papa refletiu sobre a nova Ratio Fundamentalis, documento aprovado pela Congregação para o Clero em dezembro de 2016, no qual determinam uma série de normas sobre a formação dos sacerdotes católicos.

Francisco recordou que “este documento fala sobre a formação integral, capaz de incluir todos os aspectos da vida; e que indica o caminho para formar o discípulo missionário”.

Neste sentido, destacou dois aspectos: “o fascínio do chamado e o compromisso que ele exige”. Em concreto, dirigiu seus pensamentos aos sacerdotes jovens, que vivem “entre o entusiasmo dos primeiros projetos e a ânsia das fatigas apostólicas, nas quais se imerge com certo temor, sinal de sabedoria”.

Os jovens sacerdotes, disse, “sentem profundamente a alegria e a força da unção recebida, mas sentem também gradualmente o peso da responsabilidade, dos vários compromissos pastorais e das expectativas do Povo de Deus”.

“Como um sacerdote jovem vive tudo?”, perguntou o Santo Padre. “O que carrega em seu coração? O que precisa para que os seus pés, que saem a proclamar o feliz anúncio do Evangelho, não se paralisem diante do medo ou das primeiras dificuldades?”.

O Bispo de Roma respondeu a estas perguntas com uma frase: “Vocês foram escolhidos, são amados pelo Senhor”. “Deus olha para eles com a ternura de Pai e não deixa os seus passos vacilar. Aos seus olhos vocês são importantes e Ele sabe que estariam à altura da missão à qual os chamou”.

“Alegro-me sempre quando encontro sacerdotes jovens, porque neles vejo a juventude da Igreja”, insistiu.

“Pensando na nova Ratio, que fala sobre o sacerdote como um jovem discípulo missionário, quero sublinhar, especialmente para os sacerdotes jovens, alguns comportamentos importantes como: rezar sem cessar, caminhar sempre e partilhar com o coração”.

1. Rezar sem cessar

“Porque podemos ser ‘pescadores de homens’ somente se nós por primeiros reconhecemos ter sido pescadores da ternura do Senhor”, explicou. “A nossa vocação começou quando, abandonada a terra do nosso individualismo e de nossos projetos pessoais, nos encaminhamos para a santa viagem, entregando-nos ao Amor que nos procurou e à Voz que fez vibrar o nosso coração”.

“Se não permanecemos intimamente ligados a Ele, não teremos uma boa pesca. Rezem sempre, eu recomendo!”.

Neste sentido, explicou a importância da oração para cada sacerdote: “A oração, a relação com Deus, o cuidado da vida espiritual dão alma ao ministério, e o ministério dá corpo à vida espiritual: o sacerdote se santifica e santifica os outros no exercício concreto do ministério, especialmente rezando e celebrando os Sacramentos”.

2. Caminhar sempre

O sacerdote sempre está em caminho, sublinhou o Papa. “Nunca poderá se sentir satisfeito nem poderá apagar a inquietação saudável que o leva a estender as mãos ao Senhor para se deixar formar e encher”.

Portanto, o sacerdote deve “se atualizar sempre e permanecer aberto às surpresas de Deus”. Nessa abertura ao novo, “os sacerdotes jovens poder ser criativos na evangelização, frequentando com discernimento os novos lugares da comunicação”.

3. Partilhar com o coração.

“A vida sacerdotal não é um escritório burocrático ou um conjunto de práticas religiosas ou litúrgicas para atender. Ser sacerdote significa arriscar a vida pelo Senhor e pelos irmãos, carregando na própria carne as alegrias e angústias do povo, dedicando tempo e escuta para curar as feridas dos outros, oferecendo a todos a ternura do Pai”, concluiu o Papa.

Por ACI Digital

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.